Nós cuidamos dos corpos das pessoas, para que possamos ter o direito de penetrar em suas almas

As senhoras da Associação de Nossa Senhora da Salvação trabalhavam ao lado das Irmãzinhas da Assunção, uma congregação religiosa feminina da família da Assunção que foi cofundada em 1865, por inspiração do Venerável d’Alzon, pelo Pe. Etienne Pernet e pela madre Maria de Jesus (Antoinette Fage), a filha de uma costureira que foi abandonada pelo marido. Trabalhavam ao lado dos peregrinos de todos os cantos da França, milhares de peregrinos, e entre eles centenas de doentes e moribundos que faziam as peregrinações a Lourdes, ajudando, dando-lhes medicação, lavando-os, cuidando de suas chagas, rezando com eles.

O trabalho dos Assuncionistas e da Associação de Nossa Senhora da Salvação e dos Irmãos da Associação não parou em peregrinações. Até o momento da expulsão da ordem em 1900, capítulos da Associação existiam em 80 dioceses francesas. Senhoras e senhores dos capítulos patrocinavam escolas católicas, sociedades de ajuda a trabalhadores católicos, formação profissional para jovens e ainda programas sociais – todos projetados pelo Pe. d’Alzon e supervisionados pelo Pe. Picard, de modo que alguns dos mais pobres cidadãos da França seriam colocados em contato direto com muitos dos membros mais privilegiados da sociedade francesa, e os privilegiados poderiam dar assistência aos pobres e tudo isso era como ouvimos nosso Venerável dizer “a conquista das almas resgatadas por Nosso Senhor e ainda imersas no erro e do pecado”.

Mais uma obra muito significativa do Pe. d’Alzon e dos Assuncionistas foi seu trabalho missionário.

Em 1863, o Papa Pio IX enviou o Pe. d’Alzon a Constantinopla, então capital do Império Otomano. O império era maometano, mas dentro de suas fronteiras viviam milhões de cristãos ortodoxos e de católicos do rito oriental. A missão de nosso Venerável dada pelo Papa: fundar missões Assuncionistas para socorrer os católicos do Oriente e para a conversão dos ortodoxos cismáticos.

Foi um sinal, e muito objetivo, do êxito destas missões que dentro de poucos anos havia procissões públicas do Santíssimo Sacramento, protegidas por soldados turcos, através das ruas da capital otomana. Na virada do século, havia 300 Padres Assuncionistas e irmãos e 400 Irmãs – Oblatas da Assunção no trabalho na Turquia, na Bulgária e em outras partes do império. Além de suas 22 igrejas, dirigiam escolas, hospitais, orfanatos. Em Jerusalém eles tinham a Hotelaria de Nossa Senhora da França para acomodar peregrinos. E ali foi o local, em 1893, de uma Conferência Eucarística Internacional.

(Gary Potter, jornalista e autor, escreve para várias publicações católicas de liderança, com interesse especial na aplicação dos ensinamentos religiosos da igreja aos domínios políticos e sociais. http://catholicism.org/author/garypotter [entre outros]; tradução e edição de E. Chequer)