Nossa Vida Comum

"Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti; que eles estejam em nós, para que o mundo creia que me enviaste". (Jo 17, 21)

Chamados por Cristo, fonte de nossa união, escolhemos viver em comunidade conforme a Regra e o espírito de Santo Agostinho, em vista do Reino. A vinda do Reino de Jesus Cristo em nós e no próximo se realiza já na nossa vida comum.

Por mais dispersos que estejamos, por razáo do apostolado, participamos da vida e da missão da comunidade.

A vida fraterna se constrói todos os dias. Recebida como um dom de Deus, ela exige de cada religioso um conversão diária que confirma sua própria fidelidade e a de seus irmãos. Nosso amor a Deus e aos homens se prova e se revela na verdade de nossas relações. Ninguém pode desfrutar da alegria dessa vida sem se comprometer.

Nós nos aceitamos diferentes, pois Aquele que nos une é mais forte que aquilo que nos separa. É preciso superar constantemente nossas divisões e nossos limites para nos reencontrarmos na acolhida e no perdão.

Nossa diversidade se torna riqueza quando a atenção e o respeito às pessoas passam antes das divergências de opiniões e das distinções de origem, de idade, de mentalidade ou de saúde.

A vida fraterna exige encontros periódicos. O Capítulo Local é uma etapa básica na vida de cada comunidade.

Na oração, sobretudo na celebração da Eucaristia, a comunidade refaz sua força e sua unidade.

Numa partilha cordial e franca favorecida pelas reuniões comunitárias, ela busca uma vida religiosa mais fiel e um apostolado mais aberto aos apelos da Igreja e do mundo.

As alegrias e as provações, o descanso e as refeições são ocasiões de estreitar nossos laços na simplicidade, segndo o espírito de família tradicional na Assunção.

Nós cercamos de um cuidado especial nossos irmãos doentes e idosos.

Que a comunidade se faça acolhedora, mas tenha lugares reservados para não quebrar a intimidade necessária a seus membros.

Ela deve ser solidária com as outras comunidades e manter sempre vivo seu sentido de Igreja, em que se edifica toda comunhão fraterna.

Diversas são nossas responsabilidades e funções. Todas devem ser exercidas num espírito de serviço e de caridade.

O superior vela pela animação da comunidade; dá uma atenção particular às pessoas e garante a liberdade de cada um e a unidade entre todos.

Vivida assim, nossa vida comum favorece a realização da vocação de cada religioso. Num mundo dividido, ela testemunha que Cristo está vivo no meio de nós e faz nossa unidade para o anúncio do Evangelho.